sábado, novembro 28, 2009

Aguirre Molina, R. ARGENTINA

RETIRADO DE http://www.paginadepoesia.com.ar/arg_aguirre_molina.html

De su Libro "Ojo Conmigo"
Ediciones delanada, 2000.



I.


El cuerpo para dormir ilumina
las esferas, la boca toma el incendio
del color, la palabra se endurece
de luz, el ojo recorre
la penumbra, ama sin detalles.





II.


El acto

es informativo
del lamento.

Hecho el grito
según el pacto.

Echo el ojo
que habla
se calla.





III.


por temor
odiamos amar por temor,
por temor
cual tinta sobre papel mojado de blanco
arrojo despojos
en la quietud del silencio
habito mi desconocido soy
extranjero emocionado,
el ojo ve comida
en las sobras abandonadas:
un solo ser es la piel de la oscuridad
cuando llega o se va
el ojo
ante otra boca
muerde
mi cuerpo sin sueños.





IV.


rescatar sus restos y presentarlos
en una mesa decorada:
escoger la máscara de lo Sagrado.

Ofrenda
Todos mueren cuando nazco
a la hora de elegir
números olvidados del azar
dan otra
combinación verdadera:
son tan reales
que hasta miedo dan.

Ojo en la luz, continúo leyendo.





V.


Oigo pasos y no puedo distinguir
si son de afuera o de adentro.
Paralizado de movimientos
toca el aire con sus manos
escribe palabras o mensajes
o caricias
como si fuera él
el dueño de las palabras

el pulso del condenado
que ha encontrado el sitio junto
a su padre
marca cero
la boca muda
empeña las señas

el ojo, una oreja con sed.





VI.


boca: hedor del silencio

En un sueño desaparece
mi carne. Error.
Su carne se va.
Socorro mi cuerpo
dormido
el ojo
acuna detenida vida
duerme mi padre
sueña sin sueños.



VII.


lejana playa de arena.
En el agua un color de otras
voces
se acumulan en mí.





VIII.


amada llamada
que hayas llorado hoy
que tanto huyes de mí
mi cuerpo es un damero
para ceder al óleo sagrado

ojo que nada
en los dones del sacrificio.



IX.


Soy uno de ellos
dos de sus caras se han borrado
carcome la sal
me baño
la herida
por más luz
espejo mis ojos
dorados
en el sampler;

volante, volumen inerte.





La abríamos; algunos no nos atrevíamos a descorrer la tela;
recuerdo que ponía mi nariz en una esquina de la cajita y cerraba los
ojos:
Encendía mi olfato;
depositaba sus manos en mis hombros y sonreía al escuchar los
ruidos: su voz era el Trueno.













DATOS BIOGRAFICOS



Roberto Aguirre Molina, nacido en San Cristóbal, Santa Fe, el 16/5/53.
Reside en la ciudad de Santa Fe desde el año 1971. E-mail:

robamolina@hotmail.com
roberto_aguirremolina@yahoo.com.ar

Ha publicado: (poesía)*
( Introducción al instante, ediciones delanada, Santa Fe,
1984.)
*( La señora virgen, íd.,1985.)
*( 46 Poemas agua de río, íd., 1987.)
*( Enero San Cristóbal, íd., 1989 (plaqueta).)
*( Diario de la Conquista, íd., 1992.)
*( Hadado, íd., 2000.)
*( Ojo conmigo, íd. 2000.)
*( Siego, Los Lanzallamas, Rosario, 2000. dibujos)
*( Sexión de cama (ilustraciones), ediciones Kosmos, Bs As.,1986.

Figura en las antologías:

- "Encuentro" - ediciones delanada, Santa Fe, 1980.
- "Eternidad de cálidas lágrimas" - 10 jóvenes poetas de la ciudad de
Santa Fe, ediciones delanada, 1980.
- "PUENTES DE LA POESÍA: BUENOS AIRES-MÉXICO" - Poetas argentinos y
mexicanos, Buenos Aires, Kosmos, 1982.
- "POESÍA JOVEN SANTAFESINA" - Poetas de la ciudad de Santa Fe, Diario
"El Federal", Santa Fe, 1982.
- "Los jóvenes", Universidad Nacional del Litoral, Santa Fe, 1988.
- "10 poetas argentinos contemporáneos", Correo de Occidente, Colombia,
16 al 31/5/1988.
- "selección poética de santa fe (antología)", Selección: Fabián M.
Pínnola, Ediciones Culturales Santafesinas, Santa Fe, 1994.
- "Huellas de la palabras", Fundación BICA, Santo Tomé, Santa Fe, 1998.

Ha participado de lecturas, ponencias, Encuentros y Festivales de
Poesía y revistas literarias en las ciudades de Rosario (Festival
Latinoamericano 2 veces), Junín (Bs. As.), Córdoba, Pergamino, San Luis,
Buenos Aires en el Festival Internacional de Poesía), Santa Rosa (La
Pampa) y Montevideo (Uruguay), Internacional de Escritores
(Gualeguaychú).
. Desde el año 1975 colabora con publicaciones culturales, diarios y
revistas; colaboró en las revistas santafesinas "Mensaje" y "Pleamar"
y "Caballo de Lata", Buenos Aires.
. Dirigió los once números de la revista cultural "Invisible" entre 1978
y 1981.
. Fundador de ediciones delanada (Año 1978), y de la Colección de poesía
"El Soplo y El Viento" desde su número cero, publicado en enero de 1985.
. Expuso Dibujos, Pinturas y Fotografías en Salas y Salones de la ciudad
de Santa Fe y la Provincia entre 1978/1981.
. De 1988 a 1993 condujo tres programas de radio: El Soplo y El Viento,
El Camino de la Noche y Al Borde, en Radio Nacional Santa Fe y Villa
Mercedes (San Luis), difundiendo poesía y música contemporánea.
. 1997 (17 y 18 de Octubre) - La Municipalidad de Santa Fe le ha
realizado un Homenaje en reconocimiento a su labor como editor y difusor
de la poesía.

quinta-feira, novembro 26, 2009

EN NAIRES


EN AIRES TI CONOCI
E LA NOCHE INVITOU-ME
PARA TU OJOS
QUE RECUERDA LA HISTÓRIA NON HABLADA
MAS ERES TU

GREGORIO CAVACO

terça-feira, novembro 24, 2009

Pirenópolis




Pirei em Piri
Nunca tinha vindo aqui
Sonhei um sonho novo
Pirei
Pirei em Piri
Raro o céu daqui
Luar refletido nas
Pedras abiscoitadas ao calçamento.
Correm escorrem águas vezes nervosas
Ora calmas lentas
Pirei em Piri
Antropofágico Brasil
Comeu os Pirineus
E pariu mangas e pássaros canoros
Acho
Ouvi o canto de um guaxo.

Piri Pirambeiras das ruas
Ponte vermelha de Xangô branca
Hippies caipiras fumam baseados no halo
De extraterrestres
Pelos cachos das montanhas cachoeiras
A Mãe de Santo minha mãe
Formou ciranda do Afoxé
A Praça ganhou vida nova
E os jagunços dançaram com os anjos.


Alexandre Acampora

sexta-feira, novembro 20, 2009

Leónidas Lamborghini


RETIRADO DE MODO DE USAR RENATO REZENDE LEIAM MAIS Lá http://bit.ly/4sEG54


Leónidas Lamborghini nasceu em Buenos Aires, em 1927. Seu trabalho de estréia, intitulado El saboteador arrepentido, foi publicado em plaqueta em 1955. Seria o início de uma longa e produtiva carreira, com livros como Al público (1957), Las patas en la fuente (1965), La estatua de la libertad (1968), El solicitante descolocado (1971), El riseñor (1975), Episodios (1980), Circus (1986), Verme y 11 reescrituras de Discépolo (1988), Odiseo confinado (1992) e El jardín de los poetas (1999). Publicou também romances e peças de teatro.

Ainda que seu trabalho tenha ficado, por certo tempo, à sombra da obra de seu irmão, o poeta e romancista Osvaldo Lamborghini (1949-1985), Leónidas é hoje considerado por muitos, ao lado de Juana Bignozzi e Arturo Carrera, um dos mais importantes poetas argentinos vivos. Praticamente inédito no Brasil, apresentamos aqui a tradução do poeta brasileiro Renato Rezende para os poemas "El solicitante descolocado" e "El saboteador arrepentido", publicados na antologia bilíngue Pontes/Puentes (2003).

POEMAS DE LEÓNIDAS LAMBORGHINI
em tradução de Renato Rezende e originais em castelhano.
O solicitante descolocado

Desempregado
buscando uma grana até não poder mais
faltou-me a energia o passo firme
entediado há meses, a miséria
procuro agora um emprego na era atômica
dentro ou fora do meu ramo
se for possível

Todos os dias abro o mundo
um jardim de esperanças
na seção de empregos
vou me classificando
atento
este anúncio me chama.

Então
ao escrever com fervor e letra caprichada
aderido com lealdade
- ser claro -
escuto a súplica do rouxinol
unindo o primitivo ao culto
a inspiração ao estudo
trato de seduzir com meus antecedentes.
O formulário
detalha-me
o que subscreve
prático em desorganizar
deseja
ganhar pão em seu estabelecimento
homem de empresa
caixa postal.

§


El solicitante descolocado

Desempleado
buscando ese mango hasta más no poder
me faltó la energía la pata ancha
aburrido hace meses, la miseria
busco ahor atrabajo en la era atómica
dentro o fuera del ramo
si es posible.

Todos los días abro el mundo
un jardín de esperanzas
en la sección empleados
voy clasificándome
atento
este aviso me pide.

Entonces
a escribir con pasión y buena letra
adherido con lealtad
—ser claro—
escucho el ruego del ruiseñor
uniendo lo primitivo a lo culto

la inspiración a la escuela
trato de seducir
con mis antecedentes.
Solicitud detállame
el que suscribe
práctico en desorganizar
está deseando
ganarse un pan en tu establecimiento
hombre de empresa
casilla de correos.

§
§
§

O sabotador arrependido

No meu rosto está escrita a aceita
renúncia
tanto vil ostracismo
depois soube
o trabalho é saúde, é fator
dignifica
e o outro é o crime
a poesia maldita

Eu era o braço direito agora não sou nada

Esta guitarra já cai
tombada da minha alma
sua última nota
espera.

§try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_WifJzCWAizE/Swcrb1EbuQI/AAAAAAAADXY/IqB8CoY6XMM/s1600/e79ec3db600c886b5f87b6a57d453f98.jpg">IMAGEM PAULO VASCONCELOS
El saboteador arrepentido

En mi rostro está escrita la aceptada
renuncia
tanto vil ostracismo
después supe
el trabajo es salud, es factor
dignifica
y lo otro es el crimen
la poesía maldita

Yo era el brazo derecho ahora no soy nada

Esta guitarra cae ya
volcada de mi alma
su última nota
espera.

§
§
§

Renato Rezende nasceu em 1964. Publicou, entre outros, Aura (2AB, 1997), Asa (Velocípede, 1999), Passeio (Record, 2001), com o qual recebeu a Bolsa da Fundação Biblioteca Nacional para obra em formação e Ímpar (Lamparina, 2005), ganhador do Prêmio Alphonsus de Guimaraens da Biblioteca Nacional. Vive no Rio de Janeiro.

Leónidas Lamborghini: Poesía puesta en riesgo

El poeta en su casa Una de las últimas fotos de Lamborghini. (Néstor Sieira)

http://bit.ly/8RlXUc Retitado Revista Ñ AR


Hace unos días, murió el autor de "El solicitante descolocado" y otros grandes poemas de la literatura argentina. Su estilo fragmentario y paródico es analizado aquí por un poeta de las nuevas generaciones.
Por: RODOLFO EDWARDS
El poeta en su casa Una de las últimas fotos de Lamborghini. (Néstor Sieira)
Para Leónidas Lamborghini había una piedra dentro de cada palabra, por eso se empecinó en arrastrarla por toda su obra como Sísifo. Consciente del fracaso de la empresa, igual empujó una y otra vez, sin rendirse nunca, hombre de la resistencia, pasajero de un tren fantasma que se parece mucho a la Argentina.
Rompiendo con la tradición poética de Occidente, logró configurar su obra de espaldas a todas las convenciones.
Desconfiando de las palabras, percibía la realidad como un espejo astillado, que nos devuelve imágenes deformes, pedazos de una Patria dinamitada por la injusticia, los desastres sociales, el horror y la desidia. Lamborghini trata de desarmar el cerebro del autómata que flota en la inercia (el ciudadano argentino); como un neurólogo escarba en las funciones del lenguaje alteradas por la mano perversa del poder. Buen discípulo del Dante, su viaje es siempre descendente, deriva por los infiernos escaleras abajo: somos hablados por otros, vivimos en la cárcel del lenguaje, arrancando frutos negros de un árbol seco, pisando una tierra cada vez más extranjera. Aplicando la reducción al absurdo, Lamborghini sabotea las palabras, destruye el nervio del falso jolgorio comunicacional.
"Me detengo un momento/por averiguación de antecedentes/trato de solucionar importantísimos/problemas de estado; vena poética susúrrame contracto/planteo, combinación/y remate" (de El solicitante descolocado).
La palabra es sometida a todo tipo de pruebas y evaluaciones en el laboratorio lamborghiniano. Arqueólogo de la lengua, asume el habla como un depósito de chatarra, restos de una civilización perdida. Rozando los fragmentos a veces brotan tímidas corrientes eléctricas que intentan en vano restablecer la energía de todo el sistema.
Lamborghini hace "una puesta en riesgo" de la poesía. Contradiciendo las visiones apacibles que habitualmente mostraba el género, presenta un programa donde el oficio es más una condena que una bendición, genera una angustia permanente, una desesperanza. El arte para Lamborghini no es escapismo, en todo caso Lamborghini escapa hacia el centro del conflicto, huye hacia adelante; ¿para qué sirven las palabras? Como personajes de Beckett, los poemas de Lamborghini se arrojan suicidas a la muchedumbre discursiva, al bla bla bla mediático y publicitario y se descubren desnudos, sintiendo el frío implacable de la soledad. Aun así caminan, con los pies llagados, las manos ateridas, lanzando gemidos incomprensibles en la oscuridad. Como nadie escucha, en esa indiferencia se encuentra el estado más perfecto de libertad: así se desata una de las más profundas críticas al estado del género poesía en el siglo XX.
Parodia y reescritura
En una comunidad textual saturada, Lamborghini encuentra en la reescritura y en la parodia un hálito de reconstrucción. Enjuagando las palabras en un charco de agua sucia con estudiada negligencia, persiste en la distorsión, en el acople, como en una calesita infernal o en un escenario giratorio, contempla la misma escena ad infinitum, comprobando que el hombre y el pez por la boca mueren. La poesía se convierte así en un campo de batalla donde las palabras luchan cuerpo a cuerpo. Lamborghini nos hace sentir la materialidad de las palabras, su peso, longitud y diámetro, su altura y alcance, su condición de mero objeto, antes que su valor de cambio social o estético. Sustantivos y adjetivos son sometidos a una prueba de esfuerzo y se infartan en medio de la sesión. Por eso las repeticiones, el tartamudeo, la sintaxis quebrada, las supresiones silábicas, las variaciones, el juego significante que nunca es juego, porque, en cada estocada de su estilete, Lamborghini problematiza el destino de la lengua, asunto grave y delicado (le fue la vida en ello). Su artículo "El gauchesco como arte bufo" (publicado originalmente en el suplemento cultural del diario Tiempo Argentino, el 23 de junio de 1985, donde retoma cuestiones ya planteadas en "El Riseñor", de 1975) es un verdadero manifiesto, ya que en él aparecen enunciados claramente los lineamientos fundamentales de su proyecto estético: "Asimilar la distorsión del Sistema y devolvérsela multiplicada: esta ecuación seca, dura, cifra la mayor parte del Martín Fierro y del Fausto criollo. Y, de una manera total, 'La refalosa' de Ascasubi. Es, como dicen en México, darle (al Sistema) 'de su propia medicina'. Su vía de aplicación es la parodia. La parodia es el recurso reprimido que los diccionarios definen como 'lo cómico imitativo'; en términos más amplios, esto podría ser expresado así: la parodia es siempre una relación de semejanza y contraste con un modelo determinado. En ella podemos ver 'ese aire de parecido' que observaba Petrarca entre el retratado y el retrato, de parecido que no es lo mismo y de lo mismo pero parecido. La relación Padre-Hijo; y finalmente, Modelo Derivado. Vista así, toda la literatura es parodia." En este fragmento podemos apreciar el núcleo duro de la poética lamborghiniana: ese acto de "multiplicar" la distorsión es lo que pone en marcha su productividad textual.
La máquina peronista
Deconstruyendo y podando el aparato discursivo del peronismo, le infiere una luz nueva a su historia y emblemas. Lamborghini reescribe al peronismo, resaltando de sus figuras consulares aspectos plenamente humanos, tornándolos así palpables. Dramáticamente canalizados: Perón en Caracas, Evita en la hoguera. Pliegues y contornos, aristas imprevistas de la maquinaria ideológica justicialista son develados con paciencia de orfebre, con amorosa puntillosidad: en la pieza teatral Perón en Caracas, Lamborghini nos presenta un Perón en el exilio, en calzoncillos y medias blancas, padeciendo una molesta prostatitis. Reescritura de La Razón de mi vida, en "Eva Perón en la hoguera" la retórica del texto modelo es arrojada a una fuente de aceite hirviendo para devenir fluir de la conciencia de Evita: "ese deber/ese trabajo: estrictamente./no la obra de amor./no la dama. no la caritativa:/esa 'Evita'./de comedias nada./de lirismo nada: esa 'Evita'./ni cuando con los más:/nadie podrá decir./no la humillación/ni pretexto:/esa 'Evita'. Estrictamente./ese trabajo/ese deber:/la justicia." Lamborghini nos devuelve así a Evita, hace sonar su voz más íntima, como en una sesión espiritista. Esto nos remite a los procedimientos de la recordada historieta de Willy Divito "El otro yo del Dr. Merengue", una especie de Mr. Hyde criollo que aparece fantasmalmente para expresar lo que el Dr. Merengue calla o disimula. En "Eva Perón en la hoguera", joycianamente Lamborghini arranca desesperadamente las capas discursivas de la Abanderada de los Humildes hasta mostrar el hueso de su pensamiento, su furia interna, su verdad última, es "el otro yo" de La Razón de mi vida, su lado oscuro.
Lamborghini debuta con El saboteador arrepentido, publicado en forma de "plaquette", bajo el sello El Peligro Amarillo, dirigido por Luis Alberto Murray, en 1955. En el mismo año en que Lamborghini inauguraba su obra, caía el peronismo bajo las bombas de la Revolución Libertadora, iniciando un largo ciclo de proscripción y martirio. Este hecho lo marca: también Lamborghini asume desde su obra una política de la Resistencia. La Resistencia cohesiona toda su obra, en más de un sentido. "Y aquí está su poesía: Las patas en las fuentes. El título mismo es un escándalo, se entiende que para los tilingos. El lector avisado adivina. ¿Acaso no recuerda aquel épico y revolucionario atardecer de octubre de 1945, cuando las masas trabajadoras refrescan sus pies llagados en las fuentes de la 'histórica plaza'. Pero, cuidado. Esas llagas eran historia y también poesía". Así presentaba el poeta Joaquín Giannuzzi la tercera edición de Las patas en las fuentes, en 1968.
El aduanero
Paria dentro de su generación y también paria en relación a todo el sistema pórtico argentino, tan proclive a los estériles manierismos, Lamborghini hizo de la poesía un credo dogmático e intransigente, un rito alimentado por sus férreas convicciones conceptuales. No es fácil meterse en los engranajes textuales de Lamborghini; hay que atravesar aduanas, hay que descubrir contraseñas, nada está servido, pero una vez adentro, sentimos como nunca la presencia de la lengua, nos percatamos de su valor, se nos devuelve una consciencia oscurecida por el uso, los abusos y las perversiones del poder.
Clásicos conceptos como "poeticidad", "lirismo", "belleza", son destrozados por Lamborghini, brutal, radicalmente. Para don Leónidas la poesía siempre fue "otra cosa" y a tal punto fue "otra cosa" que se instaló en un metagénero donde desarrolló una rígida praxis con leyes absolutamente propias, donde palpitan diversas tradiciones, pero atravesadas sanguinariamente con la precisión de una lanza indígena. De su obstinación hizo virtud, dejando una marca de tiza en el temporal.
En los últimos años, Lamborghini publicó varios libros y también se ha reeditado buena parte de su obra. Las nuevas generaciones lo están leyendo con mucha atención, percatándose de la lozanía de esta poética que se autorregenera a cada instante, saboteando al tiempo, de ese ser y parecer joven que ha demostrado hasta el último aliento, hasta el último verso que escribió. Pero alguna vez dijo, sarcástico: "La aceptación es sospechosa"; buena frase para un epitafio.

quinta-feira, novembro 19, 2009

CARLOS PENA FILHO


Retirado de :http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/pernambuco/carlos_pena_filho.html
VISITEM



CARLOS PENA FILHO
(1930-1960
Ao meu poeta sempre aberto em minha estante do :"são trinta copos de choop são trinta homens sentados..............PAULO VASCONCELOS-GRIFO MEU-


Nasceu e faleceu no Recife em 1930. Publicou O Tempo da Busca, em 1952; c Memórias do Boi Serapião, com ilustrações de Aloísio Magalhães, edição Gráfico Amador, Recife, 1956; A Vertigem Liicida, edição da Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco, 1958 e Livro Geral, edição da Livraria São José, 1959.



Maysa, a musa da bossa nova, gravou a canção “A mesma rosa amarela”, de sua autoria em parceria com o grande Capiba.



Faleceu vítima de um terrível acidente automobilístico.





PARA FAZER UM SONETO

Tome um pouco de azul, se a tarde é clara,
e espere pelo instante ocasional.
Nesse curto intervalo Deus prepara
e lhe oferta a palavra inicial.

Aí, adote uma atitude avara:
se você preferir a cor local,
não use mais que o sol de sua cara
e um pedaço de fundo de quintal.

Se não, procure a cinza e essa vagueza
das lembranças da infância, e não se apresse.
Antes, deixe levá-lo a correnteza.

Mas ao chegar ao ponto em que se tece
dentro da escuridão a vã certeza,
ponha tudo de lado e então comece.



(De Livro Geral)*





A CHARLES BAUDELAIRE

Carlos também
embora sem
flores nem aves
vinho nem naves,

eu te remeto
este soneto
para saberes,
se o acaso o leres,

que existe alguém
no mundo, cem
anos após

que não vaiou
e nem magoou
teu albatroz.

(De Livro Geral)*


SONETO

O quanto perco em luz conquisto em sombra.
E é de recusa ao sol que me sustento.
Às estrelas, prefiro o que se esconde
Nos crepúsculos graves dos conventos.

Humildemente envolvo-me na sombra
que veste, à noite, os cegos monumentos
isolados nas praças esquecidas
e vazios de luz e movimento.

Não sei se entendes: em teus olhos nasce
a noite côncava e profunda, enquanto
clara manhã revive em tua face.

Daí amar teus olhos mais que o corpo
com esse escuro e amargo desespero
com que haverei de amar depois de morto.


(De Livro Geral)*
Imagem P Vasconcelos

A SOLIDÃO E A SUA PORTA

A Francisco Brennand

Quando mais nada resistir que valha
a pena de viver e a dor de amar
e quando nada mais interessar
(nem o torpor do sono que se espalha).

Quando, pelo desuso da navalha
a barba livremente caminhar
e até Deus em silêncio se afastar
deixando-te sozinho na batalha

a arquitetar na sombra a despedida
do mundo que te foi contraditório,
lembra-te que afinal se resta a vida

com tudo que é insolvente e provisóriio
e de que ainda tens uma saída:
entrar no acaso e amar o contraditório.

(De Livro Geral, 1969)*


*No julgamento de Magaly Trindade Gonçalves, Zélia Thomaz de Aquino e Zina Bellodi Silva, que organizaram a extraordinária “Antologia das antologias: 101 poetas brasileiros “revisitados”” Prefácio de Alfredo Bosi (São Paulo: Musa Editora, 1995. ISBN 85-85653-05-1, estes são os poemas do autor que mais foram incluídos em antologias anteriores, com o cuidado de cotejo dos textos para uma versão definitiva. Recomendamos a obra, hoje acessível em bibliotecas.





SONETO OCO

Neste papel levanta-se um soneto,
de lembranças antigas sustentado,
pássaro de museu, bicho empalhado,
madeira apodrecida de coreto.

De tempo e tempo e tempo alimentado,
sendo em fraco metal, agora é preto.
E talvez seja apenas um soneto
de si mesmo nascido e organizado.

Mas ninguém o verá? Ninguém. Nem eu,
pois não sei como foi arquitetado
e nem me lembro quando apareceu.

Lembranças são lembranças, mesmo pobres,
olha pois este jogo de exilado
e vê se entre as lembranças te descobres.


Imagem P Vasconcelos


DESMANTELO AZUL



Então pintei de azul os meus sapatos

por não poder de azul pintar as ruas

depois vesti meus gestos insensatos

e colori as minhas mãos e as tuas



Para extinguir de nós o azul ausente

e aprisionar o azul nas coisas gratas

Enfim, nós derramamos simplesmente

azul sobre os vestidos e as gravatas



E afogados em nós nem nos lembramos

que no excesso que havia em nosso espaço

pudesse haver de azul também cansaço



E perdidos no azul nos contemplamos

e vimos que entre nós nascia um sul

vertiginosamente azul: azul.

CELINA DE HOLANDA Recife Pe.




OBS -Palavras minhas :a minha saudosa e querida amiga de tantos papos e carinhos

retirao de http://www.antoniomiranda.com.br/poesie_bresilienne/celina_de_holanda.html
Coordination de ARICY CURVELLO





Celina de Holanda Cavalcanti de Albuquerque (Cecé) - Pernambuco, Brésil.


O limite

Vi os que lutam

contra a opressão

sendo opressores (não há

claros limites entre uns

e outros) e disse :

ai de nós

os que comemos juntos, se

não partilhamos (só alguns

têm certeza da comida

sinal forte de felicidade

para os que têm fome).

Ai de nós

por essa consciência de puros

sem nada para ser perdoado

como o Publicano e o Bom Ladrão.


La limite

J’ai vu ces que luttent

contre l’oppression

étant des oppresseurs (il n’y a pas de

claires limites

entre les uns

et les autres) et il a dit :

aie de nous

qui mangeons ensemble, si

nous ne partageons pas (à peine

quelques-uns

ont la certitude de la nourriture

signe fort de bonheur

pour ceux qui ont faim).

Aie de nous

pour cette conscience de purs

sans rien pour être pardonné

comme le Publicain et le bon Ladron.







(Da antologia bilingüe “Poésie du Brésil”, seleção de Lourdes Sarmento, edição Vericuetos, como nº 13 da revista literária francesa “Chemins Scabreux”, Paris, setembro de 1997.Traduções de Lucilo Varejão, Maria Nilda Miranda Pessoa e outros.)



Publicado em setembro de 2008

Antonio Camboa


Nascido na Paraíba, C.Grande, poeta e dramturgo

A poesia é escombro
salientada em nervuras
que consciente escrevo
e a casca da pele dita
e não decifro o alcapão
deste vivido e sentido







retirado de http://www.antoniomiranda.com.br/Iberoamerica/argentina/raquel_pineiro.html
conheçam visitem


RAQUEL PIÑEIRO MONGIELLO




Nacida en Rosario, vive en Funes, Prov. Santa Fé, Argentina.



Obra poética: Rincones de Herencias y Oficios; Reflejos de un Juego; De Voces Ilesas- artesanal; A Modo de Amor- artesanal; Lenguaje de Pan- Editado Universidad Nacional de Rosario; En Defensa Propia –Poesía y cuentos – Editado Universidad Nacional de Rosario .



Encuentros de escritores y poetas: Argentina, Fiesta Iberoamericana de la Cultura. Holguín –Cuba, Arequipa – Perú, Montevideo, Chile y México.



Indicación de Rolando Revagliatti.





TEXTOS EM ESPAÑOL / TEXTOS EM PORTUGUÊS





IMAGINARIO



SER NINGUNA DE TODAS LAS COSAS

ABSUELTAS EN EL ESPEJO

E INVULNERABLE

EN EL ANTOJO DEL TIEMPO

PARA INTEGRAR

ESTA METÁFORA DE LOS DÍAS

QUE NO SE PUEDEN DEFINIR,

HABER VUELTO UNA VEZ MÁS

DEL OTRO YO,

Y SABER SI SOY ALGUIEN

VAGAMENTE IMAGINARIO.





BALDOSAS



VIENTOS INVARIABLES DE MEMORIAS

TOCAN VAIVENES, TROPIEZAN DESCUIDOS

DE BALDOSAS MANCHADAS,

NADA PONE CLEMENCIAS,

PERO TODO QUIERE VOLVER

A LA ESCENA DE LABIOS

QUE SALGAN A BESAR LOS SUEÑOS.





VERSOS



VERSOS REGRESAN SIEMPRE

ESTÁN A MI DIESTRA

DICEN UNO NUNCA MUERE

EN LA ÚLTIMA PALABRA,

Y ALGO MADURA

EN LA QUIETUD DE UN RATO,

AUNQUE CALENDARIOS

SIGAN EXISTIENDO

EN EL PAN NUESTRO

DE CADA DÍA.





ELLA ROZA



Y SIN EMBARGO

AQUÍ ESTOY,

QUÉ SOY SINO

LA DE SIEMPRE

PRESA DE UNA LLUVIA

CON UN PELO MÁGICO

Y VIEJOS ECOS

QUE NUNCA ESCRIBIRÁN

SUS SECRETOS;

¿DE DÓNDE VIENEN?

PREGUNTO

ELLA ROZA EL FILO DE LAS HORAS

Y SIGUE SU DANZA

DE TACTOS INOCENTES

EN EL ALTO INSTANTE

ERRANTE DE MI YO.



--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

TEXTOS EM PORTUGUÊS

Tradução de Antonio Miranda



IMAGINÁRIO

SER NENHUMA DE TODAS AS COISAS

ABSOLVIDAS NO ESPELHO

E INVULNERÁVEL

NO ANTOJO DO TEMPO

PARA INTEGRAR

ESTA METÁFORA DOS DIAS

QUE NÃO PODEMOS DEFINIR,

TER REGRESSADO UMA VEZ MAIS

DO OUTRO EU,

E SABER SE SOU ALGUÉM

VAGAMENTE IMAGINÁRIO.





LADRILHOS



VENTOS INVARIÁVEIS DE MEMÓRIAS

TOCAM VAIVÉNS, TROPEÇAM DESCUIDOS

DE LADRILHOS MANCHADOS,

NAD PÕE CLEMÊNCIAS,

MAS QUER-SE REGRESSAR

À CENA DE LÁBIOS

QUE SAIAM A BEIJAR OS SONHOS.



VERSOS



VERSOS REGRESSAM SEMPRE

ESTÂO À MINHA DESTRA

DIZEM NÃO SE MORRE NUNCA

NA ÚLTIMA PALAVRA,

E ALGO AMADURECE

NA QUIETUDE DO INSTANTE,

MESMO QUE CALENDÁRIOS

SIGAM EXISTINDO

NO PÃO NOSSO

DE CADA DIA.





ELLA ROÇA



E NO ENTANTO

AQUI ESTOU,

QUE SOU SENÃO

A DE SEMPRE

PRESA NUMA CHUVA

COM UM PELO MÁGICO

E VELHOS ECOS

QUE NUNCA ESCREVERÃO

SEUS SEGREDOS;

DE ONDE VÊEM?

PERGUNTO

ELA ROÇA O FIO DAS HORAS

E SEGUE SUA DANÇA

DE TATOS INOCENTES

NO ALTO INSTANTE

ERRANTE DE MEU EU.




http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_europa.asp?ID=645

Teresa
Tudela


”Voz de Mulher à Ameaça da Guerra”
[Poema alusivo ao início da guerra no Iraque]

Homem

algures
no ovo de impulsos ocultos
enredado em linhas matriciais
as mais dilectas
um grito implodido
em sim à morte

agora a guerra

cego
descarnas o dia sem razão
ensaiando as vestes
de um futuro
virtual
assente em togas longas de veludo
poder falso
oco
inchando prenhe desligado do chão

amplo negro o do futuro
esvoaça

persistente sobre o vagido
de um berço tenro inhabitado
ou de mãos doces

homem
fica a rocha desnuda a água um lodo
onde deviam estar a terra os frutos
as fontes de vida cristais puros
impolutos

homem
senhor da vida
dono de trevas
quebrantos
dizem-te autos passados
aras
vozes limpas
escuta

do que se teme faz-se o luto

por se tomar de dentro e em seu lugar
plantar firme a fé e a tocha acesa
resoluta

em pé
levante
faça-se vida

adiante a guerra
agora a paz

mãe alma
agora a luz

que límpida por diante
amanhã se veja a estrada
e sem assombro a madrugada

Teresa Tudela,Fevereiro/2003

________________________

Pais agem]

o tempo urge favos e alfazema

baixam estorninhos rasos a terra
por sementes
e escorre a água límpida da lama
deixando nítidos olmeiros de pé
contra a centelha oblíqua da tarde

sei-me agora igual à mosca
dna contado a todos
brancos negros amarelos e a ela mas
amasso o trigo loiro entrementes
de laia e feição diversas
de pena na paisagem folha
branca tela espelho
cinco sentidos a discernir em vão
seiva e sangue e ar que me seja alheio
:
é assim certo que amo
e comigo é toda a voz da terra
:
quod sum causa tuae viae
e se bem sou a razão da tua viagem
a ti virá também toda a carne

abre-se o rubor dos lábios em corola
papoila oculta em asas de beija-flor

e quem vir
aposto
julga que me estranhamente assombro e rio

[Teresa Tudela, 2004]
biografia:

Teresa Tudela
Escritora e directora da Unidade de Cultura do Instituto Superior de Engenharia do Porto, Mestre em Língua, Cultura e Literatura Inglesa e especializada em Teoria da Comunicação. Desenvolveu trabalho nos domínios de ciências da educação, metodologias de projecto,
formação de professores, tecnologias educativas, software educacional, edição electrónica, teoria da comunicação, tecnologias de informação e comunicação, nomeadamente, cd rom's, páginas na Internet e web sites. É sócia fundadora do Instituto Verney para o Conhecimento e autora do site “Mulheres Portuguesas do Século XX”, online desde 2000, em: http://www.mulheres-ps20.ipp.pt.

No âmbito académico, tem publicado artigos e comunicações em livros de actas e em publicações periódicas especializadas e online, no domínio de Tecnologias Educativas, Women's Studies e Cultura. Últimas publicações: Tudela, T., 2004. Propostas de Leitura para Generation X - Algumas Implicações da Escrita/Comunicação Mediatizada por Computador, Porto: Politema; Tudela, T., 2005. “Intertexts, Cytexts, a Body Online”, In: Peter Collier ed., Identity and Cultural Translation: Writing across the Borders of Englishness. 1st ed. Oxford: Peter Lang, 247-259.

No âmbito literário, tem alguns títulos publicados, sendo o último, Sete Transmutações da Casa, Editora Ausência, 2002 e, no prelo, T. a Bernardim, Campo das Letras, 2006.

Participa em publicações colectivas, colaborativas e online [eg participação em O Fulgor da Língua - Coimbra, Capital da Cultura: co-autoria de O Estado do Mundo, Ed. Minerva, 2005], em tradução de poetas estrangeiros [Seminários da Casa de Mateus / Quetzal Editores], e em colectâneas e antologias temáticas, sendo as últimas: Na Liberdade, Antologia Poética, Garça Editores, 2004; Algarve todo o mar, Colectânea, Adozinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira Org.s, Dom Quixote, Lisboa, 2005; A Palavra Ardente, II Bienal de Poesia de Silves, 2005; Os Outros, Poesia Portuguesa da Década de 80, Ed. Ausência, 2005. No prelo, 'Herbarium, Blue Prints, 1980', Dematos Ed., 2006.http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_europa.asp?ID=645

domingo, novembro 15, 2009

PEDRO AMÉRICO DE FARIAS

IMAGEM P VASCONCELOS





Arvoredo





Um galo sozinho não tece uma manhã
João Cabral de Melo Neto

Uma só árvore não desenha
a primavera
e o outono veste-se com incontáveis
folhas mortas
sozinha não abre a flor sem
a luz do sol
que aquece a pedra, o solo
e a raiz
o pardal devora o grão
e o semeia
sempre em companhia
de outros pardais
cantam em coro sabiás e sanhaçus
inhambus e juritis
voam em nuvens borboletas
gafanhotos
orquestra-se dessa forma tudo
que é imóvel
e ainda o inanimado e
o semovente
é assim com a flor, a flora
na floresta
assim é com toda a fauna
a humana até
trilhões de seres a viver
e reviver
trilhões de árvores a florir
frutificar
que uma só árvore não desenha
a primavera
e o outono veste-se com incontáveis
folhas mortas

RETIRADO DE http://www.interpoetica.com/pedro_americo_de_farias.htm
Fonte:
Picardia
Edições Língua de Poeta
1994

Cordel: ALICE NOS SERTÕES DO EX-CANGAÇO
Edições Língua de Poeta
Recife 2004

Pedro Américo de Farias


OBS AMIGO DE LONGAS DATA REENCONTRO AQUI E NUMA FOTO DO ESTADO DE SÃO PAULO DE HOJE 5.11.2009
RETIRADO DE http://www.interpoetica.com/entrevista_pedro.htm VISITEM

Visitantes da Interpoética. Entregamos a vocês a lição de poesia do poeta Pedro Américo de Farias. Pernambucano de Ouricuri, Sertão do Araripe, que concedeu esta entrevista a sua companheira e jornalista Maria Alice Amorim, diretamente da cidade de São Paulo, onde se recolheram para estudar literatura. (os editores)

ENTRE A INVENÇÃO E A DILUIÇÃO

Pedro Américo de Farias, quando ainda nem sabia o que era literatura, intuía que a poesia pairava nos ares poeirentos do Ouricuri, sertão pernambucano da Chapada do Araripe. Da zona rural mudou-se aos 9 anos para uma área rurbana; da cidade árida ao Crato, na adolescência; do Ceará, enfim, aporta no Recife disposto a viver a juventude e se preparar para a universidade. Não foi um percurso linear, retilíneo. Mas, suficiente à descoberta de que a poesia se espraiava em todos os ares, porque vinha de dentro. E vieram de dentro primeiramente os experimentalismos, a poesia concreta, a escrita automática do surrealismo, a fragmentação dadaísta. Daí não foi difícil desvendar a poesia de formas fixas das oralidades poéticas do Nordeste. E não estacou, continuam os experimentos na poesia de loa, no verso livre, na poesia que é som é verbo é imagem. Sobretudo, nada de poesia estritamente gabinete, poesia tem que ser imersão na vida, no beber e se divertir com os outros, como tão bem sorveram os participantes (Raul Pompéia, entre eles) do Clube Rabelais, sob o slogan buvant et rigolant avec les autres.

O que é poesia?

Poesia é o que a gente encontra de melhor nas palavras para dizer qualquer coisa sobre a vida. Mas, não só nas palavras.

Explique melhor.

É porque a poesia não é uma coisa que se possa expressar apenas no universo da fala ou da escrita. Também nas outras formas de expressão.

Que expressões?

Expressão cênica, ou nas artes visuais, ou na música.

E a fanopéia, logopéia e melopéia, como é que entram nas - ou saem das - palavras?

Vamos devagar com o andor da poesia, a musa pode ser de barro. Minha poesia tem muito de melopéia e de logopéia, o que mais se manifesta na minha construção poética são esses dois aspectos. Minha poesia é muito musical e um exercício de filosofia.

Segundo a conceituação de Ezra Pound, você se considera poeta inventor, mestre ou diluidor?

Estou mais entre a invenção e a diluição. Porque diluição não é um conceito negativo. Diluição não é necessariamente destruir ou enfraquecer, mas, de certo modo, popularizar a expressão poética. Ser mestre é um grau muito avançado.

Na invenção, como é que você se sai, ou entra?

Inventar, na poesia, não é uma coisa tão grave, um princípio tão absolutamente ligado à idéia de um estágio inalcançável. A gente inventa com relativa facilidade, pelo menos no meu conceito de invenção.

E como é que essa invenção se manifesta na sua poesia?

Penso sempre que a poesia de invenção, ao contrário do que pode parecer a muitas pessoas, não está necessariamente vinculado à existência das chamadas vanguardas estéticas. Acho que a invenção é uma possibilidade ao alcance de todas as tendências e em todas as épocas. De forma que não seria uma novidade do século XIX, nem do século XX, muito menos do século XXI. A poesia, aliás a arte em geral, sempre esteve sob o signo da invenção. O conceito é muito amplo.

Concretamente falando, como descrever ou detectar essa invenção no seu processo criativo?

Tanto penso na minha poesia quanto ao princípio da invenção, quando construo um poema como Soma sumo, que tem uma vinculação direta com a chamada poesia concreta, sob o aspecto verbivocovisual, como vejo invenção quando construo um poema com base na chamada poesia popular, como é o caso de Mãe de Pantanha, em que a forma verbal e rítmica é toda montada na tradição, mas, sob vários aspectos, eu busco a reinvenção. Busco a reinvenção quando interpreto, por exemplo. Quando fujo dos padrões regionais, regionalizantes. Quando nego a cor local e universalizo os conceitos, os princípios filosóficos.

Interpretar significa o quê?

A recitação do poema. Aí eu assumo uma liberdade bastante grande na expressão cênica, na vocalização. É aí que busco atingir um grau de construção artística que se aproxima muito da paródia e que foge muito da mimesis. Está entre a paráfrase e a paródia, fugindo o máximo possível da mímese.

Seria isto, também, o fugir dos padrões regionalizantes de que você falou acima?

Não que o padrão regionalizante não possa ter essas características, não possa também conter esses elementos essenciais à construção poética, que são a paráfrase, a paródia etc. Quando eu digo fugir dos padrões regionalizantes, eu me refiro mais a sentimentos nativistas, patrióticos, exaltação de uma natureza, de uma natureza regional, local, superior à dos outros locais. E também a um caráter nostálgico, que é comum, que se faz presente com muita freqüência no regionalismo.

Como a poesia entrou na sua história pessoal?

Eu é que entrei na vida da poesia. Há uma certa simbiose, antes de a gente perceber o que é mesmo que ela significa, há um certo comportamento chegado para o desviante, como se já fosse um comportamento de natureza poética na vida da gente. A gente pode não perceber, seria a primeira hipótese. Ou perceber e sufocar, seria a segunda hipótese. E a terceira hipótese seria perceber e desenvolver.

Você percebeu.

Eu percebi. Eu acho que percebi e assumi essa rebeldia, vamos dizer assim. A criação poética tem um lado rebelde, que acho fundamental, e que você não se rebela apenas contra a ordem vigente dos princípios éticos, mas a dos princípios estéticos também. E aí é que entra o trabalho propriamente dito da criação poética. É que a palavra escrita ou simplesmente oral passa a agregar outros valores. E estão muito além dos valores estabelecidos para uso da língua que a convivência e as conveniências exigem.

Que tipo de poesia o fisgou?

Eu não sou peixe, para me tratares assim...

Que linguagens poéticas o atraíram, então?

Isso é muito abstrato. A própria poesia já abrange genericamente o conceito de linguagem. Então eu vejo que cabe melhor para mim pensar em termos de formas poéticas e dicções. Alguém já disse e eu não sei com que palavras: há muitas formas de se fazer poesia e eu prefiro todas. Em todas as formas pode-se aplicar o princípio da invenção, ou da reinvenção - que talvez seja uma idéia melhor. Você não tem muito campo na arte em que possa dizer que aquilo ainda não foi descoberto. Você pode é trabalhar com tecnologias talvez não utilizadas ainda.

Fale sobre o seu processo de criação.

Primeiro, a gente tem as inquietações. Tanto inquietações filosóficas, quanto inquietações estéticas. Daí a gente tanto fica imaginando idéias, como imaginando frases. E na maioria dos casos, esses dois elementos - o estético e o filosófico - estão totalmente vinculados. Na questão da escrita - falo escrita porque, para mim, a poesia sempre vem como escrita, embora quando eu estou escrevendo estou sempre fazendo a leitura das frases em voz alta, porque estou sempre buscando os elementos orais dessa escrita, há um certo automatismo na primeira manifestação do texto. Depois, aquele texto passa por um processo de limpeza, reelaboração. Às vezes termina na cesta do lixo, às vezes vai alimentar um outro mais adiante, se diluir dentro de um outro. E muitos textos, especialmente os textos mais trabalhados sob a influência da oralidade, se enriquecem mais ainda com o recital. Um texto que muitas vezes pareceu apenas dotado de uma carga sintática e semântica, vai ser enriquecido por uma interpretação oral.

Por falar em oralidade, e por ser tão cantante a sua poesia, como é que você encara o diálogo entre música e poesia na produção contemporânea (e em outras épocas...). Letra de música é ou não é poesia?

Esse é um tema muito amplo, porque implica refletir até sobre a história e sobre a origem da poesia, e, também, comparativamente, estudar a relação entre a poesia e outras artes. Em outras palavras, se a poesia dialoga até com as artes plásticas e as cênicas, por que imaginar que letra de música, que é palavra cantada, não contém poesia? A questão que se coloca, fundamentalmente, é quanto ao objeto que se constrói, ou seja, o poema. Ou melhor, a letra de música pode ser um poema? A letra de música se se realiza como um poema, se é um objeto trabalhado, sob a perspectiva da arte poética, que exige a presença da polissemia, e uma construção sintática, ou uma desconstrução sintática interessante, inventiva, eu, então, posso dizer que aquilo é um poema. Uma letra de música pode ter boas frases musicais e não ser um poema. Nesse sentido, você tem tantos compositores musicais que são bons poetas e nem sempre estão fazendo poemas, mas certamente entre as letras de músicas feitas por eles há bons poemas. Agora, esta é uma discussão interminável. Envolve conceitos do que seja poesia e do que seja música. Os primeiros poemas da humanidade certamente eram canções.

Literatura é mais gabinete ou buvant et rigolant avec les autres?

Literatura é muita coisa. É muito trabalho, e tem muito gabinete mesmo. Mas, o buvant et rigolant são inseparáveis. Tudo o que diz respeito à vida, ao viver livre e ao gozar a vida só faz bem à literatura. Embora o escritor também possa alimentar-se de tudo o que é ruim, o sofrimento, a miséria. Se você fala de matéria-prima para a literatura, tudo vale. Quando a gente trata da liberdade de criação, do ambiente para a criação, óbvio que o curtir a vida, o buvant et rigolant são muito estimulantes.

Quais as leituras que "movem" o escritor?

Primeiro começo pelo fato de que leio mais ensaio e ficção do que mesmo a poesia. Mais história geral e menos história literária. Isso já é um bom princípio. E em todo esse universo de leitura eu não busco apenas a informação, eu busco a poesia, a expressão poética.

Autores?

A questão de autor enquanto influência pra mim não funciona. Por quê? Porque minha frase poética tem muito do cotidiano. O que mais procuro é tirar efeito literário da fala cotidiana. Sem descuidar de toda a carga filosófica que essa fala implica. É claro que tudo o que a gente lê pode contar como grande contribuição para o pensamento estético e para a elaboração. Mas, nunca como adoção de modelo. Em todo o caso, há os autores que a gente lê e gosta muito. Poderia citar poetas como Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Cesar Vallejo, Octavio Paz, Walt Whitman, Haroldo de Campos, Nicanor Parra. E os ficcionistas Machado de Assis, Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, Aquilino Ribeiro, Jack London.

Falando agora de poetas vivos, quem é quem na poesia brasileira contemporânea, sob sua ótica?

Affonso Ávila, em Minas Gerais, pela carga de pesquisa formal e por ter uma base temática muito interessante. É uma poesia de vanguarda que se faz a partir de uma tradição histórica de Minas, que, no meu entender, tem tudo a ver com as pesquisas dele sobre o Barroco. Poderia citar duas obras de Afonso: Código de Minas e Código Nacional de Trânsito. É uma coisa que retoma muito a herança oswaldiana da poesia Pau Brasil e de um outro mineiro, Murilo Mendes, com História do Brasil. O princípio da paródia está claramente implícito nesses livros. Manoel de Barros, Tom Zé são poetas que também me interessam muito, nessa linha de uma poesia de invenção, do conceito moderno da vanguarda.

E no Recife, convivendo diariamente com poetas de dicções e movimentos diversos, desde início dos anos 70, o que e quem destacaria?

Não levaria em consideração nada relacionado com grupo, geração ou qualquer conceito organizacional desse tipo. Há uma produção muito rica que acompanho e que se manifesta na poesia de um César Leal, Alberto da Cunha Melo, Almir Castro Barros, Esman Dias, Débora Brennand, Everardo Norões, Maria de Lourdes Hortas, Lenilde Freitas, Domingos Alexandre, Mário Hélio, Marco Polo, Majela Colares, Wilson Araújo de Sousa. Enfim, é sempre precário citar quem a gente gosta, porque muita gente fica de fora, inclusive aqueles que têm produção muito boa.

Fale de sua experiência com o movimento da poesia marginal no Recife?

Diria que é muito mais um movimento sociocultural do que um movimento especificamente literário. Há pessoas com diferentes formações intelectuais, mas que se identificam em função de determinada contingência social. Aí a gente encontra bons poetas. Eu citaria alguns exemplos: Chico Espinhara, Cida Pedrosa, Lara.

A partir dessa sua vivência no Recife, que outras geografias poéticas do Nordeste você destacaria?

A partir do Recife, trabalhando no setor editorial, é que passei a conviver com a poesia que se produz, por exemplo, na paraíba, no Ceará, no Rio Grande do Norte, em Alagoas. Mas, para não me estender muito, destacaria a poesia dos paraibanos Sérgio de Castro Pinto e Lúcio Lins. Tem também os "exilados", aqueles nordestinos que vivem no Rio, em São Paulo, que têm uma poesia muito boa, que se destaca pela qualidade literária. É o caso de Micheliny Verunschky, que vive em São Paulo, e de Braulio Tavares, um paraibano no Rio.

Se você decidisse fazer um passeio pelas poéticas mundo afora, em quais estações/paisagens você gostaria de mergulhar?

Eu mergulharia no dicionário das várias línguas. "Lá estão os poemas que esperam ser escritos", como diria Drummond. Mas, eu acrescentaria que, antes e além dos dicionários, estão as expressões vivas das línguas que se manifestam nos seus milhões de falantes. O desafio do poeta é construir a sua poética viajando no mapa-mundi das muitas línguas e linguagens.

Poesia é sonho?

Poesia é sonho e é pesadelo. Poesia é como a vida, sonho e realidade.

(novembro de 2005)

Fotos de Delmo Montenegro e Maria Alice Amorim

CASA DAS ROSAS AV PAULSTA E SEU SARAU POÉTICO

sábado, novembro 14, 2009

quinta-feira, novembro 12, 2009

LANÇAMENTO ANTOLOGIA

O discurso lírico de José Telles




Foto da matéria
Clique para Ampliar

JOSÉ TELLES, em "O solo das chuvas", firma-se como uma das vozes mais destacadas no lirismo contemporâneo
Foto: MIGUEL PORTELA

leia mais http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=687356


A projeção dos sentimentos, das atitudes individuais, ou seja, o eu que se inscreve como motivo maior, tudo isso tem caracterizado a poesia de José Telles. Seu discurso se volta, predominantemente, para o mundo interior, de onde se evolam imagens de um passado distante, fragmentos de paisagens, sombras de seres e coisas, para que, enfim, tudo se converta num exercício do encantatório. Percorrer tal universo é o motivo central dessa edição

A escritura de José Telles é, em sua essência, sobretudo lírica. Sua cosmovisão, portando, advém filtrada pelo que, dependendo da relação que estabeleça com o estar-no-mundo, pode anunciar-se como a expressão de um desencanto em relação à engrenagem social ou mergulhar mais em suas próprias entranhas, mostrando-se, desse modo, introspectiva e de um acentuado individualismo.

O solo das chuvas
Seu mais recente livro, O solo das chuvas, vencedor do Prêmio Osmundo Pontes/2007, não só confirma tal tendência, mas lhe aponta, por outro lado, mais uma faceta: a de, livro a livro, concentrar-se, predominantemente, num determinado interesse temático; e, com tal procedimento, encontrar - o que não deixa de ser inusitado - caminhos novos.

A obra aberta
A obra de arte literária comporta abertura; nesse sentido, visaremos a uma exegese desse livro, na busca de identificar-lhe os processos estilísticos e os caminhos temáticos, visando, com isso, descrever-lhe a composição, concentrando-nos, especificamente, nos processos metalinguísticos.

O poema-título imprime-se, antes de tudo, como uma epígrafe do próprio livro, uma vez que , de certa forma, tanto lhe antecipa as preocupações temáticas, como, por outro lado, também diz respeito a determinados procedimentos estilísticos por que há de orientar-se a expressão literária do Autor, constituindo caminho para a sua poética: (Texto I).Trata-se, portanto, de um metapoema, uma vez que reflete acerca da relação que o eu lírico mantém com o fazer poético. Decompostas as "têmperas", isto é, o ímpeto para a sua caça às palavras, entrega-se, passivamente, à insônia. No entanto, surge "Um solo de chuva", com a força de seu sumo inaugural: a poesia apresenta-se ao poeta, rompendo a crosta que o separava do encantamento; por isso, tudo o que é efêmero se conserva, magicamente, em sua escritura, sendo, assim, "o sal" de seu "delírio". O que a vida lhe tira, com a gravidade de sua ferrugem, recupera poeticamente - e isto o pacifica. O verso "Um solo de chuva", relacionado à natureza geral das composições, revela a natureza plural do título "O solo das chuvas": se há uma relação intrínseca entre o poeta e o poetar, o "solo" é o livro; e as "chuvas", os poemas - suor e lavoura, colheita do embate do eu lírico com o mundo.

CARLOS AUGUSTO VIANA

segunda-feira, novembro 09, 2009

Javier Cabrera










POEMAS SUELTOS DEL LIBRO


Imagem Paulo Vasconcelos


ÓXIDO DE CALCETÍN (2008-2009) / Inedito





A veces, en días tan chatos como estos,
en los que uno se planta mustio y acaba
rezongando lo peor acerca de sí mismo,
uno resuelve que le vendría estupendo eso
de poder reencarnarse y corregir cuanta
mofa hubiera perpetrado en días infaustos.
O en otras ocasiones en las que uno anda
embotado, se le desinfla el tiempo, y la vida
mengua para lo tanto que pretende numerar.
Claro que uno piensa, ¿y si esto de escribir
versos es definitivamente inútil, y acabaras
reencarnado en un pescado, de qué te sirve?
O en el peor de los casos, y aún reencarnado
en uno mismo: ¿ya a las primeras de cambio
serás poeta?¿Y vas a recordar al punto dónde
dejaste pendiente de tachar el último verso malo?
A fin de cuentas, nada con tan poca sustancia
ni más nimio para reencarnarse que un poeta.

A veces, en días tan chatos… Mejor dejarlo,
vaya a ser que ocurra y ya no tenga remedio.



JAVIER CABRERA (Islas Canarias, España, 1953). Autor, antólogo y editor. De sus 10 libros de poesía publicados los últimos son: Humus (LPGC, 2003) y Huracán la Luz (Cuba, 2006). Como antólogo ha publicado cinco, los últimos: Acantilado y silencio. Panorámica de la generación poética grancanaria de los ’80 (Gran Canaria, 2004) y La poesía no se detiene. Antología de Antonio Hernández Pérez (SCT, 2007). Su obra aparece recogida en diversas antologías y selecciones nacionales y extranjeras, las más recientes: Enciclopedia de la Literatura Canaria (SCT, 2007) y Este es mi brazo. 10 años de Abrace (Montevideo, 2009). Ha obtenido varios premios y menciones de poesía: ‘Tomás Morales’ (Islas Canarias, 1985); ‘Ciudad de Alcorcón’ (Madrid, 1987); ‘Esperanza Spínola’ (Islas Canarias, 1990); ‘Ciudad de Las Palmas de G. Canaria’ (Islas Canarias, 1993) y ‘La Porte des Poètes’ (París, 2007). Es director de la colección de poesía internacional ‘puentepalabras’, en la Editorial Puentepalo (LPGC). Colabora en diversas revistas literarias y culturales, nacionales y extranjeras, con aportaciones últimas en INSULARIA, Nº 3 y MORALIA, Nº 8 (Canarias, 2009); ABRACE. CULTURA, Nº 10 (Uruguay, 2009) y TIERRA VERDE, Nº 7 (Ecuador, 2009). De entre los últimos eventos literarios a los que ha asistido destacan: 1as. Jornadas Culturales Cubano-Canarias, 2008 (La Habana, Cuba); XVII Feria Internacional del Libro de La Habana, 2008 (Cuba); XII Encuentro Internacional de Poetas de Zamora, 2008 (Michoacán, México); V Feria de la Edición en Canarias, SCT, 2008 (Islas Canarias, España); II Encuentro Poético Insular de Gáldar, 2009 [Poeta invitado] (Gran Canaria, Islas Canarias); XXIX Festival del Caribe: Encuentro de Poetas del Caribe y el Mundo, 2009 (Santiago, Cuba) y II Festival Internacional de Poesía en Puerto Rico, 2009 (San Juan, Puerto Rico). Recientemente ha sido invitado al ‘V Encuentro de Poetas de Toledo’ (España) -a celebrar del 5 al 7 de diciembre de 2009.

sexta-feira, novembro 06, 2009

Manuscrito de José Régio avaliado em 7000 euros vai à praça

Imagem P Vasconcelos
por LusaOntem D de Notícias PT http://dn.sapo.pt/cartaz/livros/interior.aspx?content_id=1411640

Um manuscrito com mais de 70 anos do escritor José Régio, que pode atingir os 7000 euros, é uma das mais de 600 obras de uma biblioteca particular que vai ser leiloada em Lisboa no próximo fim-de-semana.
Esta será a terceira parte de quatro sessões de leilão das mais de 3500 obras da biblioteca particular do pai do actual presidente da Câmara Municipal de Cascais, António Capucho, onde se destacam alguns manuscritos de escritores como Ramalho Ortigão, José Régio e Eliezar Kamenezky, num conjunto que reúne obras dos séculos XVI aos XX.
De acordo com a responsável da iniciativa, Isabel Maiorca, "as expectativas são as melhores" para os leilões que vão realizar-se no Palácio do Correio Velho, em Lisboa.
"Esperamos que o resultado desta sessão seja igual às sessões antecedentes, onde vendemos praticamente todos os livros", contou a responsável, sublinhando que na quinta e sexta-feira haverá uma exposição das obras que vão depois à praça com valores base de licitação que variam entre os 150 e os 7000 euros. .
O leilão abrange 645 lotes de diversas temáticas, entre as quais se destacam dois Livros de Horas, Arte, Literatura Portuguesa, História, Viagens, Roteiros, Genealogia, invulgares folhetos da época sobre a inauguração da estátua equestre del-Rei D. José I.
O lote com valor de licitação mais elevado diz respeito a um manuscrito de 1937 de José Régio, "um original, que comporta lindos desenhos do poeta", que poderá atingir os 7000 euros, de acordo com a leiloeira.
A exposição estará patente quinta e sexta-feira, também no Palácio Correio Velho, das 10:30 às 13:30 e das 14:30 às 19:00, sendo que o leilão de Livros e Manuscritos do Palácio do Correio Velho decorrerá sábado e domingo às 15:00.

terça-feira, novembro 03, 2009

CONCURSO NACIONAL DE POESIAS DIVULGA RESULTADO PR

IMAGEM PAULO VASCONCELOS
Retirado http://bit.ly/3P9zDt ZERO HORA PORTO ALEGRE





A Secretaria de Cultura do Paraná acaba de divulgar o resultado do Concurso Nacional de Poesia Helena Kolody. O primeiro lugar foi conquistado pela mato-grossense Andreza Silva Pereira, que ganhou R$ 10 mil com o texto Sal-dor. Atrás dela, vem a gaúcha Claudia Schroeder, com a poesia Jantar, e o paraibano Valberto Cardoso da Silva, com Pré-destino.

O júri do evento foi composto por Domingos Pellegrini, Estrela Leminski e Fabrício Carpinejar.

segunda-feira, novembro 02, 2009

Obra do poeta português Gastão Cruz chega ao Brasil-By Globo Prosa e Verso

Guilherme Freitas -



Com quase cinco décadas de atividade literária e mais de 20 livros publicados, o poeta português Gastão Cruz tem um extenso currículo - que inclui os prêmios do PEN Clube de seu país e da Associação Portuguesa de Escritores - mas só agora vê sua obra chegar ao público brasileiro, com o lançamento de "A moeda do tempo e outros poemas" (Língua Geral"). Organizado pelo professor de literatura portuguesa da UFRJ Jorge Fernandes da Silveira, o livro reúne a obra completa de Cruz, desde o primeiro poema, "A morte percutiva", de 1961, ao recente "A moeda do tempo", de 2006.

Cruz esteve no Rio para o lançamento do livro e falou para uma plateia numerosa na Casa de Rui Barbosa, em Botafogo, a respeito de sua obra e de sua relação com a poesia brasileira. Revelou sua admiração por Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto, e leu poemas dois dois autores que o influenciaram.


- Drummond teve tamanha influência sobre a geração anterior à minha, a dos anos 1950, que era como se fosse de fato de um poeta português.....

Luz do Leblon

No inverno tão
quente semelhante
a um verão amamos a
incerteza

Com voz igual
o mar retrata o ávido
cheiro do corpo o aroma a
sangue
impossível de manter escorrendo
sobre a pele molhada
de outro mar

O verão do Leblon nega o seu
nome
escondemo-nos
na luz reconhecendo-o




leia todo texto em Prosa e Verso Globo http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/default.asp

A melodia às avessas de Samarone Lima Rev Brasileiros

De Crato a Recife, conheça o poeta da memória e da música silenciosa Arsênio Meira de Vasconcellos Junior e Paulo Vasconcelos ...